fbpx

Tenório Advogados

Pesquisar
Close this search box.

A ansiedade pode levar à aposentadoria? Saiba mais

A ansiedade, uma condição que afeta milhões de brasileiros, pode se manifestar de formas variadas, impactando a vida pessoal e profissional.

Em casos graves, a ansiedade pode levar à incapacidade temporária ou definitiva para o trabalho, abrindo caminho para benefícios como o auxílio doença e a aposentadoria por invalidez.

A ansiedade, quando atinge níveis incapacitantes, pode se tornar um obstáculo para o trabalho e o bem-estar. É bom você entender que a legislação brasileira oferece proteção e suporte aos segurados do INSS que enfrentam essa situação.

Neste artigo, vamos desmistificar o processo de aposentadoria por invalidez por ansiedade, fornecendo informações claras e exemplos reais. Abordaremos os requisitos médicos, o passo a passo da solicitação, a documentação essencial e os desafios que podem surgir.

Mostraremos as diferenças entre a aposentadoria por invalidez e o auxílio-doença, orientando você na escolha do benefício mais adequado à sua situação. Exploraremos também outros benefícios, como o BPC, e como a advocacia especializada pode ser um aliado fundamental.

Reconhecer seus direitos e buscar o apoio necessário é fundamental para garantir sua qualidade de vida.

Você vai ver nesse post:

1. Critérios para Aposentadoria por Invalidez devido à Ansiedade

Para que a ansiedade seja reconhecida como causa de aposentadoria por invalidez, critérios rigorosos devem ser cumpridos, incluindo requisitos médicos e comprovação da incapacidade.

Vamos aos detalhes.

1.1 Quais são os requisitos médicos necessários?

É necessário possuir diagnóstico preciso de ansiedade generalizada ou outras condições graves, como Transtorno de Pânico ou Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT), emitido por um médico psiquiatra, que é o profissional capacitado para atestar e tratar essa condição médica.

A ansiedade, uma emoção humana natural, se torna um problema quando sua intensidade e frequência interferem na vida diária, no bem-estar e na capacidade de funcionar adequadamente em sociedade.

Para fins de diagnóstico e tratamento, a medicina classifica a ansiedade em diferentes tipos, cada um com características, sintomas e impactos específicos.

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), amplamente utilizado por profissionais de saúde mental, e a Classificação Internacional de Doenças (CID-10 e CID-11), adotada pelo INSS para fins previdenciários, são as principais referências para a categorização dos transtornos de ansiedade.

Abordaremos aqui os tipos mais comuns de ansiedade, com base no CID-10:

É essencial demonstrar, por meio de laudos e exames médicos, que a ansiedade impede o indivíduo de exercer qualquer atividade laboral, de forma permanente e sem perspectiva de reabilitação.

1.2 Como obter um laudo médico adequado?

Para obter um diagnóstico e melhor compreensão sobre qual tipo ansioso você se enquadra, consulte um psiquiatra  para uma avaliação completa e detalhada da sua condição.

É possível consultar um especialista dentro da rede pública (SUS), através de encaminhamento clínico para psiquiatra, normalmente encontrado no CAPS ( Centro de Atenção Psicossocial) mais próximo de sua residência.  Além disso, muitos profissionais desta área atendem de forma autônoma, em consultórios ou clínicas populares

O laudo médico deve incluir informações específicas sobre a gravidade, a duração dos sintomas, o impacto na vida diária, os tratamentos realizados e a resposta (ou ausência de resposta) aos tratamentos.

Além de tudo isso, é comum que o paciente ansioso seja acompanhado também por psicólogo, profissional também bastante importante, pois os relatórios de acompanhamento produzidos por ele, ainda que não sejam laudos médicos, auxiliam o médico perito a melhor compreender como  a ansiedade compromete a capacidade de trabalho do segurado.

E também, é importante que conste neste laudo as especificações em relação ao CID-10 (ou CID-11) que falamos há pouco, o que ajuda a tornar mais visível a existência da incapacidade laboral.

2. Processo de Solicitação da Aposentadoria por Invalidez no INSS

Solicitar a aposentadoria por invalidez no INSS envolve um processo específico, que deve ser seguido com atenção para garantir que seus direitos sejam devidamente considerados.

2.2 Passo a passo para solicitar o benefício

  • Agendamento da Perícia: Acesse o site ou aplicativo Meu INSS ou ligue para a Central 135 para agendar a perícia médica.
  • Reunião da Documentação: Organize todos os documentos necessários, incluindo laudos médicos, exames complementares e outros documentos que comprovem a sua incapacidade.
  • Comparecimento à Perícia: Apresente-se à perícia médica no dia e local agendados, portando a documentação original e cópias.


2.3 Documentação essencial para a solicitação

Para solicitar a aposentadoria por invalidez por ansiedade, a documentação médica robusta é fundamental para comprovar a gravidade da sua condição e o impacto na sua capacidade de trabalho.

Laudos Médicos Detalhados:

O laudo médico, emitido por um psiquiatra, é a peça central da sua documentação. Ele deve descrever:

  • Diagnóstico: Tipo de ansiedade (com código CID), gravidade, tempo de evolução.
  • Sintomas: Detalhe os sintomas, frequência, intensidade e como eles afetam a sua vida diária e profissional.
  • Tratamentos: Liste todos os tratamentos realizados (medicamentos, terapias, internações), doses, duração e resposta ao tratamento.
  • Incapacidade Laboral: O médico deve afirmar, de forma clara e embasada, que a ansiedade impede você de exercer qualquer atividade laboral, de forma permanente e sem perspectiva de reabilitação.


Exames Complementares:

Embora não existam exames médicos visuais (como raio-X ou tomografia) para diagnosticar a ansiedade, alguns exames podem auxiliar na avaliação médica e corroborar o laudo psiquiátrico, como por exemplo:

 

  • Escala de Ansiedade de Hamilton (HAM-A): Questionário amplamente utilizado para avaliar a gravidade dos sintomas de ansiedade.
  • Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE): Avalia a ansiedade como um traço de personalidade (disposição à ansiedade) e como um estado (ansiedade no momento presente).
  • Escalas de Avaliação de Sintomas Depressivos: A ansiedade frequentemente coexiste com a depressão, e escalas como a Escala de Depressão de Beck (BDI) ou o Inventário de Depressão de Beck (HADS) podem ser usadas para avaliar a presença de sintomas depressivos.
  • Polissonografia: Exame do sono que pode identificar distúrbios do sono frequentemente associados à ansiedade, como insônia.
  • Eletrocardiograma (ECG): Pode ser útil para descartar problemas cardíacos que podem causar sintomas semelhantes aos da ansiedade, como palpitações.
  • Exames de Sangue: Podem ser solicitados para descartar outras condições médicas que podem causar sintomas de ansiedade, como problemas de tireoide.
  • Testes Neuropsicológicos: Avaliam funções cognitivas como atenção, memória e concentração, que podem ser afetadas pela ansiedade grave.


Históricos de Tratamento:

  • Relatórios de Acompanhamento Psicológico/Psiquiátrico: Demonstra a persistência dos sintomas e a busca por tratamento contínuo.
  • Receitas Médicas e Comprovantes de Compra de Medicamentos: Comprove o uso regular de medicamentos para ansiedade.
  • Registros de Internações: Se você foi internado por crises de ansiedade, inclua os registros de internação na sua documentação.


Quanto mais completa e detalhada for sua documentação, maiores serão suas chances de comprovar a incapacidade e ter seu pedido de aposentadoria por invalidez aprovado.

3. Comparação entre Aposentadoria por Invalidez e Auxílio-Doença por Ansiedade

É importante entender as diferenças entre a aposentadoria por invalidez e o auxílio-doença por ansiedade para escolher o benefício mais adequado à sua situação.

3.1 Diferenças principais entre os benefícios

Característica

Auxílio-Doença por Ansiedade

Aposentadoria por Invalidez por Ansiedade

Natureza da Incapacidade

Temporária

Permanente

Duração do Benefício

Limitada, até a recuperação para o trabalho

Vitalícia (sujeita a revisão)

Retorno ao Trabalho

Previsto após a recuperação

Impossibilitado de trabalhar

Requisitos

Incapacidade temporária para o trabalho, qualidade de segurado e carência (12 contribuições geralmente)

Incapacidade permanente e total para qualquer trabalho, qualidade de segurado e carência (12 contribuições geralmente)

Perícia Médica

Avalia a incapacidade temporária e define o tempo de afastamento necessário para a recuperação

Avalia a incapacidade permanente e total, analisando a possibilidade de reabilitação profissional

Valor do Benefício

91% do salário de benefício, com teto limitado pela média dos últimos 12 salários de contribuição

60% da média salarial (acrescido de 2% a cada ano que exceder 20 anos de contribuição para homens e 15 para mulheres), podendo chegar a 100%

 

Em resumo, o auxílio-doença é uma alternativa para situações em que a ansiedade causa incapacidade temporária, enquanto a aposentadoria por invalidez se aplica a casos de incapacidade total e permanente.

Dúvidas Frequentes:


3.2. Quando optar por cada um dos benefícios?

Não chega a ser uma opção, mas sim algo que vai depender da sua necessidade e do seu diagnóstico.

O Auxílio-Doença é concedido para situações em que a ansiedade causa incapacidade temporária, com expectativa de recuperação e retorno ao trabalho após tratamento.

Por outro lado, a Aposentadoria por Invalidez é recomendada para casos em que a ansiedade é grave e persistente, causando incapacidade total e permanente para qualquer tipo de trabalho, sem possibilidade de reabilitação.

4. Benefícios Adicionais do INSS para Pessoas com Ansiedade

Além da aposentadoria por invalidez, existem outros benefícios e direitos que podem auxiliar pessoas com ansiedade a enfrentar seus desafios.

4.1 Auxílio-doença como alternativa inicial

Já falamos sobre ela, mas vale o registro que o auxílio-doença pode ser concedido como uma alternativa inicial para pessoas com ansiedade, caso a incapacidade seja temporária, permitindo que o indivíduo se afaste do trabalho para receber tratamento e se recuperar.

O auxílio-doença pode ser renovado, mediante nova perícia médica, caso o segurado ainda esteja incapacitado para o trabalho após o término do período inicial.

Caso a incapacidade persista por um longo período de tempo, o INSS poderá reconhecer que a incapacidade é permanente, concedendo a Aposentadoria por Invalidez.

4.2 Outros benefícios e direitos

Benefício de Prestação Continuada (BPC): Se a ansiedade for grave o suficiente para impedir o indivíduo de trabalhar e a renda familiar per capita for inferior a ¼ do salário mínimo, ele pode ter direito ao BPC.

Possíveis Isenções Fiscais e Descontos em Medicamentos: Pessoas com deficiência, incluindo aquelas com ansiedade grave e incapacitante, podem ter direito a isenções fiscais, como isenção de Imposto de Renda na compra de veículos adaptados, e descontos em medicamentos.

5. Duração e Revisão da Aposentadoria por Ansiedade

A aposentadoria por invalidez, embora concedida em casos de incapacidade permanente, não é necessariamente vitalícia e está sujeita a revisões periódicas por parte do INSS.

5.1 A aposentadoria por invalidez é vitalícia?

Não, a aposentadoria por invalidez por ansiedade não é automaticamente vitalícia. O INSS pode revisar o benefício a qualquer momento, o chamado “pente fino”, especialmente se houver indícios de melhora no quadro clínico do segurado.

Situações que podem levar à revisão do benefício:

Se o INSS identificar que houve melhora significativa na condição de saúde do segurado, a ponto de ele recuperar a capacidade para o trabalho, o benefício pode ser revisado.

Se houver suspeita de que o segurado tenha obtido a aposentadoria por invalidez de forma fraudulenta, o INSS pode realizar uma revisão para verificar a veracidade das informações e documentos apresentados.

Se o segurado for considerado apto para a reabilitação profissional, o INSS pode revisar o benefício e oferecer programas de reabilitação para auxiliar o indivíduo no retorno ao mercado de trabalho.

Alterações nas leis previdenciárias podem impactar os critérios para a concessão e manutenção da aposentadoria por invalidez, o que pode levar a uma revisão do benefício.

5.2 Como se preparar para uma revisão do benefício?

Mantenha um acompanhamento médico regular com seu psiquiatra ou psicólogo e siga as recomendações de tratamento.

Solicite ao seu médico relatórios atualizados que descrevam a sua condição atual, os tratamentos realizados e a resposta ao tratamento.

Guarde comprovantes de consultas médicas, terapias, internações e medicamentos utilizados.

Enfrentando problemas de saúde e precisa se afastar do trabalho?

Garanta seu direito ao benefício por incapacidade.

6. Impactos da Aposentadoria por Ansiedade na Vida Profissional e Pessoal

Receber a aposentadoria por invalidez devido à ansiedade gera impactos na vida do indivíduo, impondo restrições à atividade laboral, mas abrindo caminho para novas possibilidades.

6.1 Pode-se continuar trabalhando após a concessão da aposentadoria?

Não, a aposentadoria por invalidez, como o próprio nome indica, pressupõe incapacidade para o trabalho. O segurado que recebe esse benefício não pode exercer atividades remuneradas.

6.2 Restrições legais e possíveis consequências:

Se o INSS descobrir que o aposentado por invalidez está trabalhando, o benefício pode ser suspenso.

Em alguns casos, o segurado pode ser obrigado a devolver os valores recebidos indevidamente.

7. Alternativas para se manter ativo profissionalmente

Embora a aposentadoria por invalidez impeça o exercício de atividades remuneradas, existem outras alternativas para os indivíduos se manterem ativos profissionalmente e socialmente:

Trabalho Voluntário: Envolva-se em atividades voluntárias que lhe tragam satisfação e propósito, sem gerar remuneração.

Atividades Ocupacionais: Participe de cursos, oficinas ou grupos que promovam o desenvolvimento de habilidades e a interação social.

Hobbies e Interesses Pessoais: Dedique-se a hobbies e atividades que você gosta, como leitura, música, artesanato ou jardinagem.

Apoio psicológico e social durante e após o processo: Enfrentar o processo de aposentadoria por invalidez devido à ansiedade pode ser emocionalmente desafiador. É crucial buscar apoio psicológico e social para lidar com as mudanças e os desafios que surgem.

7.1 Importância do acompanhamento contínuo

Continue com o tratamento da ansiedade, mesmo após a concessão da aposentadoria, para garantir sua saúde mental.

Participe de grupos de apoio para pessoas com ansiedade, onde você pode compartilhar suas experiências e receber suporte de outras pessoas que enfrentam desafios semelhantes.

E ainda, saiba que o tratamento e acompanhamento contínuo é um critério utilizado para a manutenção do benefício pelo INSS. Caso o segurado abandone o tratamento, causando uma piora artificial dos sintomas, pode vir a ter o seu benefício suspenso ou cessado.

7.2 Recursos disponíveis para apoio mental e emocional

Centro de Atenção Psicossocial (CAPS): Oferece atendimento gratuito para pessoas com transtornos mentais, incluindo ansiedade.

Serviços de Saúde Mental do SUS: Procure unidades de saúde do SUS que ofereçam atendimento psicológico e psiquiátrico.

Organizações Não Governamentais (ONGs): Existem diversas ONGs que oferecem apoio e informação para pessoas com ansiedade.

Lembre-se, cuidar da sua saúde mental é fundamental durante todo o processo de aposentadoria por invalidez.

8. Casos Reais e Depoimentos sobre Aposentadoria por Ansiedade

Caso 1: Transtorno de Pânico de Profissional de Saúde

  • Nome Sofia
  • Idade: 42 anos
  • Profissão: Enfermeira
  • Diagnóstico: Transtorno de Pânico com Agorafobia
  • Desafio: Sofia, enfermeira dedicada, viu sua vida profissional e pessoal ruir com o avanço do Transtorno de Pânico. As crises intensas e o medo de sair de casa a impediam de trabalhar e de realizar atividades cotidianas. Após diversas tentativas frustradas de retornar ao trabalho e lidar com a ansiedade debilitante, ela se viu sem renda e com a autoestima abalada.
  • Estratégia: Buscou ajuda de um psiquiatra e psicólogo, iniciando tratamento com medicamentos e terapia cognitivo-comportamental. Durante a perícia do INSS, apresentou laudos médicos detalhados, exames complementares (incluindo ECG para descartar problemas cardíacos), relatos de familiares e amigos sobre o impacto da ansiedade em sua vida e um diário detalhado das crises.


Após um processo desafiador, Sofia conseguiu a aposentadoria por invalidez por ansiedade. Com a estabilidade financeira e o tratamento adequado, ela se dedicou à recuperação, aprendeu a gerenciar a ansiedade e encontrou novas paixões, como o artesanato e o voluntariado em um abrigo de animais.

Caso 2: Do Burnout à Aposentadoria

  • Nome: Marcos
  • Idade: 50 anos
  • Profissão: Gerente de vendas
  • Diagnóstico: Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) e Síndrome de Burnout
  • Desafio: A pressão constante no trabalho, a busca incessante por metas e a competitividade no mercado levaram Marcos ao esgotamento físico e mental. O TAG, presente desde a juventude, se agravou, manifestando-se em crises de ansiedade, insônia, dores musculares e dificuldade de concentração.
  • Estratégia: Após um período de afastamento por auxílio-doença, Marcos buscou auxílio de um advogado especialista em direito previdenciário para solicitar a aposentadoria por invalidez. A documentação médica incluía laudos psiquiátricos, relatórios de psicoterapia, exames que comprovaram o burnout e um histórico detalhado das condições de trabalho que contribuíram para o agravamento da ansiedade.


A aposentadoria por invalidez foi concedida, e Marcos pôde se dedicar à sua recuperação. Continuou o tratamento médico e retomou hobbies que havia abandonado, como a pintura. A aposentadoria, embora não fosse o plano inicial, proporcionou a Marcos a oportunidade de cuidar da sua saúde mental e encontrar um novo ritmo de vida.

Além disso, a escolha de um profissional capacitado fez com que sua aposentadoria por invalidez fosse configurada como vinda de uma doença do trabalho, de modo que conseguiu receber um benefício muito mais vantajoso, recebendo a aposentadoria com a renda integral (100%) de seus salários.

Para conhecer um pouco mais sobre esse tema, visite nosso artigo: Burnout no Trabalho: Como Conseguir Auxílio-Doença ou Aposentadoria por Invalidez

9. Conclusão

A ansiedade, quando grave, pode levar ao auxílio doença e até mesmo à aposentadoria por invalidez. No entanto, essa não é uma sentença definitiva.

Lembre-se, você não está sozinho. Com informação, apoio e planejamento, é possível alcançar a recuperação e construir um futuro com mais leveza e significado.

10. Como Um Especialista Pode te Ajudar?

Se você está enfrentando dificuldades com o INSS ou precisa de auxílio para solicitar seus benefícios, entre em contato com a Tenório Advogados. Nossa equipe de especialistas em direito previdenciário está pronta para te ajudar!

Acesse nosso site https://tenorioadvogados.com/ para saber mais sobre nossos serviços e agendar uma consulta.

Não deixe seus direitos para depois. A hora de agir é agora!

Compartilhe esse artigo com seus amigos e familiares!

Picture of Paulicleia Tenório
Paulicleia Tenório
Advogada da Tenório Advogados, OAB 38347 PE, graduada pela Universidade Federal de Pernambuco e pós-graduada em Direito Previdenciário pela INFOC.

Você está doente e precisa se afastar do trabalho?

Picture of Paulicleia Tenório
Paulicleia Tenório
Advogada da Tenório Advogados, OAB 38347 PE, graduada pela Universidade Federal de Pernambuco e pós-graduada em Direito Previdenciário pela INFOC.