fbpx

Tenório Advogados

Pesquisar
Close this search box.

Passo a Passo para o Auxílio-Doença sem Perícia: Dicas, Direitos e Procedimentos em 2024

O auxílio por incapacidade temporária, conhecido popularmente como auxílio-doença, é um benefício concedido aos trabalhadores que, por motivo de doença ou acidente, encontram-se temporariamente incapazes para o trabalho. Tradicionalmente, a concessão deste benefício exige a realização de uma perícia médica pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para comprovar a incapacidade laboral do solicitante.

No entanto, em determinadas situações, o auxílio-doença pode ser concedido sem a necessidade de perícia médica, um ajuste pensado para agilizar o processo em casos específicos e a extensa fila de solicitações junto ao INSS.

Você vai ver nesse post:

1. O que é Auxílio-Doença sem Perícia Médica?

O Auxílio-Doença sem Perícia Médica é uma modalidade do benefício que permite ao trabalhador incapacitado solicitar e, potencialmente, receber o auxílio sem passar pela avaliação presencial de um perito do INSS. Essa opção foi desenvolvida para facilitar o acesso ao benefício em situações excepcionais, como em contextos de pandemia, greves prolongadas dos médicos peritos ou outras circunstâncias que dificultam a realização das perícias.

 

1.1 Por que o Auxílio-Doença Pode Ser Concedido sem Perícia?

Existem várias razões pelas quais o auxílio-doença pode ser concedido sem a necessidade de uma perícia médica. Entre elas, estão a tentativa de desafogar o sistema de seguridade social, agilizando a concessão de benefícios em momentos de alta demanda ou quando o acesso ao serviço de perícia está comprometido. Além disso, busca-se proteger a saúde dos segurados em situações de risco, evitando que pessoas doentes se desloquem até as agências, o que seria contraproducente especialmente em tempos de crises sanitárias.

2. Quem Tem Direito ao Auxílio-Doença Sem Perícia Médica?

Para ser elegível ao auxílio-doença sem a necessidade de uma perícia médica, o trabalhador deve atender a certos critérios definidos pela legislação e pelo INSS. Esses critérios são estabelecidos para garantir que apenas os verdadeiramente incapazes, e que se encontram em situações específicas, possam se beneficiar dessa modalidade de solicitação.

 

2.1 Critérios de Elegibilidade

Os critérios de elegibilidade para o auxílio-doença sem perícia médica incluem:

Anexo01

– Tempo de contribuição: O solicitante deve ter contribuído para o INSS por um mínimo de 12 meses, exceto em casos de acidente de qualquer natureza ou se a incapacidade for causada por doença grave especificada em lei.

– Situação de incapacidade: Deve estar temporariamente incapaz para o trabalho devido a doença ou acidente, comprovada por documentação médica.

– Regularidade com o INSS: Estar com a situação regular junto ao INSS, sem pendências que possam afetar o atendimento aos requisitos do benefício.

 

2.2 Situações Específicas para Concessão Sem Perícia

Algumas situações específicas permitem a concessão do auxílio-doença sem a realização de perícia médica, tais como:

– Pandemias ou Emergências de Saúde Pública: Quando há riscos à saúde pública que justifiquem a medida.

– Greves ou Paralisações: Em caso de greve dos médicos peritos ou outras paralisações que afetem o atendimento.

– Dificuldades de Acesso à Perícia: Em locais onde não há disponibilidade de perícia médica em tempo hábil ou quando o segurado está impossibilitado de se deslocar.

– Afastamento de pouca duração: situações em que o segurado esteja incapaz para o trabalho e com prazo de recuperação de até 180 dias, devidamente descrito no laudo médico. Nestas situações, o laudo médico deve estar atualizado e contendo todos requisitos solicitados pelo INSS, como ter sido emitido a menos de 90 dias do pedido, assinatura do médico, data de emissão, nome e CID da doença.

Essas condições são estabelecidas para facilitar o acesso ao benefício para aqueles que mais precisam, especialmente em momentos críticos que afetam a capacidade do INSS de realizar perícias médicas presenciais.

Caso encontre dificuldades em entender o procedimento de solicitação do Auxílio-Doença ou necessite comparecer presencialmente, não deixe de conferir um de nossos artigos: Como se preparar para as perícias em 2024? Atenção beneficiários do auxílio-doença!

3. Documentação Necessária para Solicitação

A solicitação do auxílio-doença sem perícia médica requer a apresentação de documentação específica para comprovar a condição do solicitante e justificar a concessão do benefício. A preparação adequada dos documentos é crucial para um processo de solicitação bem-sucedido.

 

3.1 Quais Documentos Preparar?

Para solicitar o auxílio-doença sem a necessidade de perícia médica, o solicitante deve preparar os seguintes documentos:

– Atestado médico: Deve ser claro, detalhado, especificar o período de incapacidade e a descrição da condição de saúde, incluindo CID (Classificação Internacional de Doenças), data de emissão, estimativa médica do tempo que precisa se afastar do trabalho, bem como demais informações.

– Identificação pessoal: Documento de identidade com foto e CPF.

– Comprovantes de contribuição ao INSS: Documentos que comprovem o pagamento ao INSS, como carteira de trabalho, guias de recolhimento, entre outros.

– Histórico médico: Exames, laudos, e relatórios médicos que comprovem a condição de saúde e a incapacidade para o trabalho.

 

3.2 Dicas para Organizar sua Documentação Eficientemente

– Mantenha os documentos atualizados e em ordem cronológica: Facilita a análise por parte do INSS.

– Digitalize os documentos: Ter cópias digitais pode ser útil, especialmente para solicitações online.

– Verifique a validade dos atestados médicos: Atestados muito antigos podem não ser aceitos.

– Consulte a lista oficial de documentos do INSS: Assegure-se de que está seguindo as orientações mais recentes do INSS para a preparação da documentação.

A organização e a preparação cuidadosa da documentação são essenciais para agilizar o processo de solicitação e aumentar as chances de concessão do auxílio-doença sem a necessidade de perícia médica.

4. Como Solicitar o Auxílio-Doença Sem Perícia Médica?

A solicitação do auxílio-doença sem a necessidade de uma perícia médica pode ser realizada de maneira relativamente simples, seguindo um procedimento online estabelecido pelo INSS. Este processo foi desenvolvido para facilitar o acesso ao benefício, especialmente em situações em que a perícia presencial não é viável.

4.1 Passo a Passo para a Solicitação Online

Para solicitar o auxílio-doença sem perícia médica, siga os passos abaixo:

  1. Acesso ao portal ou aplicativo Meu INSS:

   – Acesse o portal Meu INSS (gov.br/meuinss) ou utilize o aplicativo Meu INSS disponível para smartphones.

  1. Login ou cadastro:

   – Realize o login com seu CPF e senha. Caso não tenha cadastro, será necessário criar um seguindo as instruções na tela.

  1. Solicitação do benefício:

   – Na área de serviços, selecione a opção de solicitação de benefício e depois escolha “Pedir Benefício Por Incapacidade”, seguida do pedido mais adequado ao seu caso.

  1. Preenchimento das informações:

   – Preencha os dados solicitados, incluindo informações pessoais e detalhes sobre sua condição de saúde.

  1. Envio de documentação:

   – Digitalize e envie os documentos necessários, como atestados médicos, identidade, e comprovantes de contribuição.

  1. Confirmação e protocolo:

   – Após enviar a solicitação, anote o número de protocolo para acompanhamento.

 

4.2 Como Acompanhar o Status da Sua Solicitação

– Acompanhamento pelo Meu INSS: Você pode verificar o status da sua solicitação a qualquer momento acessando o portal ou o aplicativo Meu INSS. Haverá atualizações sobre a análise do pedido, aprovação, eventual necessidade de mais informações ou documentos, e a concessão do benefício.

– Notificações: O INSS também pode enviar notificações por SMS ou e-mail sobre o status da solicitação. Certifique-se de que seus dados de contato estejam atualizados no sistema.

A solicitação online simplifica o processo de obtenção do auxílio-doença, permitindo que os solicitantes administrem seu pedido com comodidade e segurança, sem necessidade de deslocamento até as agências do INSS.

Enfrentando problemas de saúde e precisa se afastar do trabalho?

Garanta seu direito ao benefício por incapacidade.

5. Cálculo do Valor do Benefício

O valor do auxílio-doença é determinado com base nas contribuições do segurado ao INSS, considerando a média das maiores contribuições, um cálculo que visa garantir que o benefício reflita de forma justa a renda do trabalhador incapacitado. Entender como esse cálculo é feito é essencial para ter uma expectativa realista do valor a ser recebido.

5.1 Entendendo Como o Valor é Determinado

O cálculo do valor do auxílio-doença segue a seguinte fórmula:

– Média de 100% dos salários de contribuição junto ao INSS: Desde julho de 1994 ou desde o início da contribuição, se posterior, até o mês anterior ao da incapacidade.

– Porcentagem aplicável: O valor do benefício corresponde a 91% dessa média calculada.

– Limitação à média das últimas 12 contribuições junto ao INSS: Caso o valor da média, multiplicado pelo coeficiente de 91% seja superior à média dos últimos 12 salários, a Renda Mensal Inicial (RMI), será limitada à média das últimas 12 contribuições junto ao INSS.

Essa metodologia visa assegurar que o benefício reflita, de maneira equitativa, a contribuição do segurado ao longo de sua vida laboral, proporcionando uma rede de segurança financeira durante o período de recuperação.

Num exemplo prático:

Imagine que Júlio, motorista de caminhão, recebeu uma renda mensal de R$3.000,00 durante todo o tempo que trabalhou, desde 1995 até o ano de 2023. Acontece que Júlio passou a contribuir como autônomo, pagando as últimas 12 guias de contribuições sob um salário de R$2.000,00.

A renda mensal, que seria de R$2.730 (3.000 x 91%), passa a obedecer a média das últimas 12 contribuições, baixando para R$ 2.000,00.

De outro modo, se a média total das contribuições fossem em R$2.000 mas as últimas 12 contribuições fossem no valor de R$ 3.000, o valor do benefício será sempre o menor valor encontrado, neste caso sendo calculado sobre a média de todo o período contributivo multiplicado pelo coeficiente de 91%.

 

5.2 Impacto da Renda Anterior no Valor do Benefício

– Teto do INSS: Existe ainda um valor máximo que o benefício pode alcançar, que é ajustado anualmente. Portanto, mesmo que a média das contribuições seja alta, o benefício não excederá esse teto.

– Renda anterior: Quanto maior a renda anterior e as contribuições ao INSS, maior será o valor do benefício, até o limite máximo estabelecido.

O valor do auxílio-doença sem perícia médica é calculado da mesma forma que o auxílio com perícia, garantindo que os segurados recebam um valor justo e proporcional às suas contribuições prévias, mesmo na ausência de uma avaliação presencial.

6. Duração e Prorrogação do Auxílio

O período de recebimento do auxílio-doença é determinado com base na avaliação da incapacidade do trabalhador para exercer suas atividades laborais. No entanto, é importante entender que esse período pode variar e, em alguns casos, pode ser necessário solicitar uma prorrogação do benefício.

Caso você já esteja recebendo o benefício e tenha dúvidas de como pedir a prorrogação, confira nosso artigo: Prorrogação do auxílio doença sem perícia! Entenda o que está acontecendo no INSS

 

6.1 Por Quanto Tempo Posso Receber o Benefício?

A duração do auxílio-doença sem perícia médica é inicialmente estabelecida com base na documentação médica fornecida pelo solicitante, incluindo atestados e laudos que indiquem o período estimado de recuperação. No entanto, esta duração é flexível e pode ser ajustada conforme a evolução da condição de saúde do beneficiário:

– Período definido: O benefício é concedido por um período temporário, que pode ser de poucos meses até, no máximo, o tempo necessário para a recuperação da capacidade de trabalho.

– Reavaliação: Caso o beneficiário não recupere sua capacidade laboral dentro do período inicialmente previsto, é possível solicitar a prorrogação do auxílio.

 

6.2 Processo e Requisitos para Prorrogação

Para solicitar a prorrogação do auxílio-doença, o beneficiário deve seguir um procedimento específico, idealmente antes do término do benefício atual:

 

  1. Solicitação de prorrogação: Isso pode ser feito por meio do portal ou aplicativo Meu INSS, selecionando a opção de prorrogação do benefício.
  2. Nova documentação médica: É necessário apresentar novos documentos médicos que comprovem a continuidade da incapacidade para o trabalho.
  3. Avaliação: Embora a solicitação inicial possa ter sido realizada sem perícia, para a prorrogação, dependendo do caso, pode ser necessária uma avaliação médica presencial ou à distância.

 

O processo de prorrogação é essencial para aqueles que ainda não estão em condições de retornar ao trabalho, garantindo a continuidade do suporte financeiro durante o período de recuperação.

7. Recuperação e Cancelamento do Benefício

Após a concessão do auxílio-doença, é fundamental que o beneficiário esteja ciente dos procedimentos a serem seguidos em caso de recuperação da capacidade de trabalho ou se desejar cancelar o benefício. Estes procedimentos garantem a correta administração do benefício e evitam complicações com o INSS.

 

7.1 O que Fazer se Você Se Recuperar Antes do Previsto?

Se o beneficiário recuperar sua capacidade de trabalho antes do término do período estabelecido para o auxílio-doença, ele deve informar ao INSS sua recuperação:

 

  1. Comunicação ao INSS: O beneficiário deve comunicar sua recuperação através do portal Meu INSS ou diretamente em uma agência do INSS, preferencialmente com documentação médica que comprove a aptidão para retornar ao trabalho.
  2. Cancelamento do benefício: Após a comunicação, o INSS procederá com o cancelamento do auxílio-doença, cessando os pagamentos futuros.

 

Esta ação é importante não apenas para a integridade do sistema de seguridade social, mas também para evitar possíveis cobranças indevidas ou acúmulos de benefício.

 

7.2 Procedimentos para Cancelamento do Auxílio

Caso o beneficiário deseje cancelar o auxílio-doença por outros motivos, como retorno voluntário ao trabalho sem uma completa recuperação, é importante seguir o procedimento oficial de cancelamento:

 

  1. Solicitação de cancelamento: Através do portal Meu INSS ou em uma agência, solicitando explicitamente o cancelamento do benefício, através do serviço de “Alta Médica a Pedido”.
  2. Justificativa: Embora não obrigatória, uma justificativa ou documentação suporte pode ser requerida para formalizar o cancelamento.

 

O processo de cancelamento é uma ferramenta importante para gerenciar adequadamente o recebimento do benefício, permitindo ao beneficiário retomar suas atividades laborais de forma regulamentada e evitando possíveis mal-entendidos com o INSS.

8. Fiscalização e Combate às Fraudes

O auxílio-doença é um benefício fundamental do sistema de seguridade social, destinado a oferecer suporte financeiro aos trabalhadores incapacitados temporariamente. Para proteger a integridade deste sistema e garantir que apenas os elegíveis recebam o benefício, o INSS implementa rigorosas medidas de fiscalização e combate às fraudes.

 

8.1 Como o Governo Fiscaliza os Beneficiários?

O INSS adota várias estratégias para fiscalizar os beneficiários do auxílio-doença, incluindo:

– Cruzamento de dados: Utiliza sistemas avançados para cruzar informações dos beneficiários com outras bases de dados governamentais, identificando possíveis incompatibilidades ou irregularidades.

– Reavaliações e perícias médicas: Beneficiários podem ser convocados para reavaliações médicas periódicas, inclusive aqueles que inicialmente receberam o benefício sem a necessidade de perícia.

– Denúncias: O INSS também investiga denúncias de fraude, que podem ser feitas anonimamente por qualquer cidadão.

Essas medidas são essenciais para prevenir e detectar fraudes, assegurando que os recursos sejam direcionados aos verdadeiramente necessitados.

 

8.2 Consequências para Quem Comete Fraude

Aqueles que são pegos cometendo fraude contra o sistema de seguridade social enfrentam sérias consequências, incluindo:

– Regresso de valores: Obrigação de devolver os valores recebidos indevidamente.

– Sanções legais: Podem incluir multas, proibição de acesso a benefícios futuros e até mesmo ação criminal, dependendo da gravidade da fraude.

O combate às fraudes é uma prioridade para o INSS, visando manter a sustentabilidade do sistema de seguridade social e garantir que os recursos estejam disponíveis para quem realmente precisa.

9. Conclusão

Hoje você ficou informado de novas regras que estão sendo implantadas pelo INSS para os pedidos de auxílio-doença sem perícia.

E mais, ficou sabendo como se preparar para ter sucesso na perícia, caso ela seja necessária.

O Tenório Advogados está à disposição para fornecer assistência e orientação especializada em questões previdenciárias.

Nossa equipe está pronta para oferecer suporte e orientação personalizada para garantir que você obtenha os benefícios que merece durante esse momento.

Se você ainda está com dúvidas ou deseja um acompanhamento personalizado, entre em contato com a nossa equipe por meio do nosso WHATSAPP, para agendarmos uma consulta.

O Tenório Advogados Associados tem atuado em Pernambuco há mais de 20 anos com especialização em Direito Previdenciário. Temos orgulho da nossa tradição de excelência em nossos serviços.

Ah, se você gostou das informações deste texto, aproveite e compartilhe nosso artigo com a família e os amigos.

Paulicleia Tenório
Paulicleia Tenório
Advogada da Tenório Advogados, OAB 38347 PE, graduada pela Universidade Federal de Pernambuco e pós-graduada em Direito Previdenciário pela INFOC.

Você está doente e precisa se afastar do trabalho?

Paulicleia Tenório
Paulicleia Tenório
Advogada da Tenório Advogados, OAB 38347 PE, graduada pela Universidade Federal de Pernambuco e pós-graduada em Direito Previdenciário pela INFOC.